Estudantes despejados de República em Coimbra

Para conversar e discutir temas relacionados com Coimbra
Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
Mensagens: 11998
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07

Estudantes despejados de República em Coimbra

Mensagem por Pedro »

Estudantes despejados de República em Coimbra

Os sete moradores do Solar Residencial dos Estudantes Açoreanos, em Coimbra, foram despejados esta segunda-feira de manhã, na presença da PSP, da proprietária e de um agente de execução. O despejo terá sido motivado pelo acordo entre a proprietária do imóvel e o procurador do arrendatário, um antigo morador da República, para a rescisão do contrato.

A intervenção das autoridades aconteceu pelas 9 horas da manhã, quando alguns dos moradores ainda estavam a dormir. "Foi tudo muito confuso. A PSP entrou pela casa dentro, ainda chamámos o nosso advogado, mas acabámos por ficar na rua", explica ao JN Carolina Braga, uma das sete moradoras da casa. Os moradores conseguiram, ainda hoje, marcar uma reunião com a Reitoria da Universidade de Coimbra para conseguir um realojamento, sendo que alguns deverão ficar em casas de amigos. "Estamos ainda à espera de respostas", salienta.

A esperança dos moradores passa pela posse administrativa da Câmara Municipal de Coimbra, que já está para acontecer há um ano e deverá acontecer esta semana. "A casa precisa de obras e a senhoria foi notificada desde 2017", conta Carolina Braga.

Câmara sem intervenção

O arrendatário do Solar Residencial dos Estudantes Açoreanos é um antigo padre que vive nos Estados Unidos, tendo feito uma procuração a um antigo morador da casa. Este, apurou o JN, fez um acordo com a proprietária para a rescisão do contrato. Ouvida pelo JN, fonte da Câmara Municipal de Coimbra afirma que, neste caso, a Autarquia nada pode fazer. "A casa está identificada como sendo de interesse histórico, mas, havendo acordo entre a proprietária e o arrendatário, não há nada que a Câmara possa fazer", aponta.

A mesma fonte confirma que a posse administrativa decorrerá esta semana. No entanto, esta será do imóvel e não da República. "Faremos a posse administrativa para realizar as obras necessárias e depois iremos cobrá-las à proprietária. Mas a Câmara Municipal não tem interferência nos inquilinos e na sua relação com os senhorios", defende.

Situada na Rua António Vasconcelos, o Solar Residencial dos Estudantes Açoreanos foi fundado em 1962, tendo os moradores mudado para a atual casa quatro anos depois. Destinada inicialmente a estudantes universitários oriundos do arquipélago dos Açores, atualmente não tinha ninguém originário dessas ilhas.

Fonte: JN
Esta é uma situação peculiar. É estranho como nunca houve a preocupação de actualizar quem é o arrendatário, e surpreende-me que alguém tenha aceite ficar com o nome no contrato tanto tempo, sem ter qualquer ligação com o imóvel. Por outro lado, colocar pessoas na rua desta maneira e nesta altura parece-me muito longe de ser a melhor atitude a tomar. Legalmente a senhoria tem o direito de o fazer (embora tenha sido obtido de uma maneira algo duvidosa), mas moralmente... deixa muito a desejar.