Incêndios

Para conversar e discutir temas relacionados com Coimbra
usaralho
Lendário
Lendário
Mensagens: 1577
Registado: domingo, 21 novembro 2004 1:37

Soure

Mensagem por usaralho »

Imagem
Imagem
Reparem na altura das chamas! E nos pinheiros já queimados em primeiro plano, não fica nada verde :(
Uma panoramica mal feita de vários kms a arder, dá pa perceber
Imagem

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
Mensagens: 12066
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07

Mensagem por Pedro »

Editei o post, para a última imagem ficar em thumbnail (estava a quebrar o h-scroll).

Avatar do Utilizador
Lino
Mítico
Mítico
Mensagens: 8082
Registado: quinta-feira, 14 abril 2005 3:54

Mensagem por Lino »

Que desgraça, o que eram locais verdinhos, tá tudo negro. :(

mata-betos
Novato
Novato
Mensagens: 21
Registado: segunda-feira, 22 agosto 2005 19:12

Ya!

Mensagem por mata-betos »

Sempre fomos os koitadinhos da Europa: |.. mas agora isto é de +... kualker dia o país fika pior ke o Iraq so kom os icendios...
Ou melhor.. kualker dia ha uma guerra civil.. pois o povo ja ta farto disto : s

usaralho
Lendário
Lendário
Mensagens: 1577
Registado: domingo, 21 novembro 2004 1:37

Mensagem por usaralho »

Pelo menos o clima está-se a aproximar de um proprio do deserto: dias escaldantes, noites arrepiantes! Quem ainda não notou isto? Para o ano vai ser pior, com toda a certeza

Avatar do Utilizador
bluestrattos
Lendário
Lendário
Mensagens: 2164
Registado: domingo, 06 março 2005 22:49

Re: Ya!

Mensagem por bluestrattos »

mata-betos Escreveu:Sempre fomos os koitadinhos da Europa: |.. mas agora isto é de +... kualker dia o país fika pior ke o Iraq so kom os icendios...
Ou melhor.. kualker dia ha uma guerra civil.. pois o povo ja ta farto disto : s
Qual guerra civil ? O Povo é demasiado preguiçoso para pensar nisso. Se não fossem os soldados ainda hoje Portugal tinha o Salazar à perna, o que verdade seja dita, tinha as suas coisas boas. Além de que o Povo já não existe.

É difícil juntar muita gente para uma mesma causa, já que são mais os que estão a ganhar com a situação de Portugal, actualmente, do que os que perdem diariamente... :roll:

PS: Eu ainda não disse nada, mas mata-betos ou o teu teclado está estragado, pois faltam-lhe as teclas dos acentos e tens muitas teclas com a letra k, ou tens de aprender a escrever correctamente. Já agora lê isto

mata-betos
Novato
Novato
Mensagens: 21
Registado: segunda-feira, 22 agosto 2005 19:12

ya

Mensagem por mata-betos »

ROTFLMAO ... ya faltam peças : P ...
Hepa o povo portugues é akela base T_T

mata-betos
Novato
Novato
Mensagens: 21
Registado: segunda-feira, 22 agosto 2005 19:12

Mensagem por mata-betos »

Em relaçao aos incendios que continuam a deflagrar ...é so o de Miranda?

Avatar do Utilizador
Lino
Mítico
Mítico
Mensagens: 8082
Registado: quinta-feira, 14 abril 2005 3:54

Mensagem por Lino »

Sim, acho eu... mas deslighei a tv, tou farto dos fogos. :(

usaralho
Lendário
Lendário
Mensagens: 1577
Registado: domingo, 21 novembro 2004 1:37

Re: Ya!

Mensagem por usaralho »

bluestrattos Escreveu:É difícil juntar muita gente para uma mesma causa, já que são mais os que estão a ganhar com a situação de Portugal, actualmente, do que os que perdem diariamente... :roll:
Errado: futebol :evil:
No outro dia alguem me alertou para o seguinte: o ano passado, apesar de ser "epoca baixa" para os incendios, não houve nenhum durante o euro, as pessoas andavam ocupadas. Alguém confirma?

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
Mensagens: 12066
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07

Mensagem por Pedro »

Ainda se pode lá ir merendar aos domingos

O ICN espera que, dentro de 5 anos, a zona inferior da mata esteja regenerada. Ardeu 80 por cento e o futuro é de trabalho numa reflorestação que se adivinha demorada.

(...)

“Ia muitas vezes dar uma volta, pela fresca. Era uma maravilha... Agora, já não posso”, lamenta João Cardoso. O fumo e o pó que o haviam incomodado no dia anterior, horas depois de o incêndio ter sido extinto, já lá não estão. O negro que cobre a área, do chão à copa das árvores, será a cor que vai perdominar durante muito tempo naquele que era, até domingo, um dos maiores e mais importantes pulmões verdes da cidade e que foi afectado, em cerca de 80 por cento, pelas chamas que ali lavraram na madrugada de segunda–feira.

“Isto parecia o inferno!”, braceja, mais abaixo, Francisco Bravo, o técnico do Instituto de Conservação da Natureza (ICN) que é, há 12 anos, responsável por aquele espaço. “Já ouvi dizer que os meios não foram suficientes, mas perante aquelas chamas não havia meios para evitar que o fogo chegasse cá. Juntaram–se aqui duas frentes de fogo vindas da Cova do Ouro e das Torres do Mondego”, explica Francisco Bravo.

Ainda assim, ressalva desde logo, uma boa zona da mata ardida é regenerável. “Toda a parte de baixo”, acrescenta. E adianta que “o fundinho da mata está verde”. “Os eucaliptos, as araucárias, está tudo verdinho. As árvores classificadas estão boas e recomendam–se a até lá há cerejeiras com folhas”, diz, esboçando um sorriso.

Quando tudo estiver regenerado, já terão decorrido uns cinco ou seis anos, o tempo mínimo apontado pelo técnico do ICN para que, pelo menos a zona mais inferior da mata, volte a ser como era até domingo.

Algumas pessoas continuam, contudo, a lá ir. “Sobretudo por curiosidade”, conta, por seu lado, um dos vigilantes da Mata de Vale de Canas, Isidro Seiça. “As pessoas andam aí dentro a ver como está”, explica, apontando para a mata. “É perigoso”, adverte, recordando as cepas de árvores velhas, que “nem daqui a oito dias estão apagadas”. Torce um bocadinho o nariz à possibilidade de as pessoas poderem, para já, percorrer o circuito de manutenção. “Mas ainda dá para cá virem merendar ao domingo”, assegura.

(...)

Agora, muito trabalho aguarda Francisco Bravo e as outras três pessoas que são lá funcionárias e que têm, segundo o técnico do ICN, conseguido manter a mata relativamente limpa. “A parte de baixo da mata sofrerá uma regenração natural. A parte de cima vai exigir uma reflorestação e um controlo mais apertado por causa das acácias, que estão aí à espera para crescer”, adivinha.

A reflorestação, garante, será feita com as espécies até agora existentes, principalmente pinheiros e cedros. “Mas vai ser um trabalho muito difícil e demorado porque estamos a falar de uma área de mais de oito hectares”, refere.

Fonte: As Beiras
Parece que já estão a planear a recuperação. Enquanto isso, continua a guerra de palavras na política.
Acusações de Encarnação são um “disparate rotundo”

O governador civil criticou, ontem, as declarações do autarca de Coimbra sobre falta de meios aéreos. “Espero que não faltemos à verdade”, disse.

(...)

Afirmando sempre não querer transformar os incêndios numa “questão política”, o responsável distrital acusou ainda a Câmara de Coimbra de não cumprir o que está estipulado no decreto–lei 156/2004, relativo às medidas e acções a desenvolver no âmbito do Sistema Nacional de Prevenção e Protecção da Floresta contra Incêndios.

“Tenho constatado no terreno que, em Coimbra, não estão respeitados os 100 metros que a legislação de 2004 obriga”, exemplificou, referindo–se à medida preventiva prevista que responsabiliza as autarquias por, “nos aglomerados populacionais inseridos ou confinantes com áreas florestais”, fazer “a limpeza de uma faixa exterior de protecção de largura mínima não inferior a 100 metros”.

“Esse foi um factor que favoreceu a entrada das chamas na cidade”, afirmou Henrique Fernandes, ressalvando que, “se não se pode cumprir a lei, tal deve ser justificado”. “A mim não me foi dada qualquer justificação”, acrescentou.

Questionado sobre o facto de, nas imediações de algumas das zonas que foram afectadas pelas chamas, existirem áreas florestais que remontam já à época em que a câmara municipal era de maioria PS, de cujos executivos Henrique Fernandes fez parte, e de a limpeza ou desvastação não terem sido então acauteladas, o governador civil afirmou que as “condições materiais e físicas em que as pessoas vivem evoluem no tempo”. As obrigações “só foram transformadas em responsabilidade legal em 2004”, justificou.

Contactado pelo DIÁRIO AS BEIRAS, Carlos Encarnação optou por não tecer comentários às críticas de Henrique Fernandes, dizendo apenas que, “quando há uma constatável absoluta falta de meios, é absurdo falar de falta de meios”. “As informações que tenho do meu comandante, do responsável pela Protecção Civil e do vice–presidente da autarquia são suficientes para ter feito as declarações que fiz”, acrescentou.

Na opinião do autarca, é “péssimo que se ande a discutir estas questões quando os problemas que se colocam são outros”. Mas, fez questão de referir, “felizmente ontem [anteontem] apareceram os meios aéreos suficientes”.

Fonte: As Beiras
A parte a sublinhado é brutal... resume-se em:
- "Ah, eles são uns malandros, não fizeram isto."
- "Pois, mas vocês também não."
- "Eram outros tempos, era uma obrigação mas não estava na lei, não tínhamos de o fazer."

Chega a ser ridículo... :roll:

Avatar do Utilizador
bluestrattos
Lendário
Lendário
Mensagens: 2164
Registado: domingo, 06 março 2005 22:49

Re: Ya!

Mensagem por bluestrattos »

usaralho Escreveu:
bluestrattos Escreveu:É difícil juntar muita gente para uma mesma causa, já que são mais os que estão a ganhar com a situação de Portugal, actualmente, do que os que perdem diariamente... :roll:
Errado: futebol :evil:
No outro dia alguem me alertou para o seguinte: o ano passado, apesar de ser "epoca baixa" para os incendios, não houve nenhum durante o euro, as pessoas andavam ocupadas. Alguém confirma?
Haver até houve as pessoas é que andavam demasiado ocupadas para prestar atenção a isso. Este ano não tiveste nada que distraisse o povo.

Avatar do Utilizador
Lino
Mítico
Mítico
Mensagens: 8082
Registado: quinta-feira, 14 abril 2005 3:54

Mensagem por Lino »

In: www.asbeiras.pt

VALE DE CANAS - Ainda se pode lá ir merendar aos domingos


O ICN espera que, dentro de 5 anos, a zona inferior da mata esteja regenerada. Ardeu 80 por cento e o futuro é de trabalho numa reflorestação que se adivinha demorada.

“É muito triste...”. João Cardoso, de 54 anos, está sentado num banco de jardim verde que está colocado à entrada da Mata Nacional de Vale de Canas, mesmo junto ao estacionamento. Tem o braço esticado por cima do encosto e os olhos postos precisamente no sítio onde termina o caminho de terra batida e começa o emaranhado dos troncos das árvores. Motorista de profissão, procura o verde que lhe abrigou os passeios que, desde há um ano para cá, fazia enquanto esperava que aquela hora terminasse para entrar novamente no autocarro e conduzir as pessoas para a entrada da cidade.
“Ia muitas vezes dar uma volta, pela fresca. Era uma maravilha... Agora, já não posso”, lamenta João Cardoso. O fumo e o pó que o haviam incomodado no dia anterior, horas depois de o incêndio ter sido extinto, já lá não estão. O negro que cobre a área, do chão à copa das árvores, será a cor que vai perdominar durante muito tempo naquele que era, até domingo, um dos maiores e mais importantes pulmões verdes da cidade e que foi afectado, em cerca de 80 por cento, pelas chamas que ali lavraram na madrugada de segunda–feira.
“Isto parecia o inferno!”, braceja, mais abaixo, Francisco Bravo, o técnico do Instituto de Conservação da Natureza (ICN) que é, há 12 anos, responsável por aquele espaço. “Já ouvi dizer que os meios não foram suficientes, mas perante aquelas chamas não havia meios para evitar que o fogo chegasse cá. Juntaram–se aqui duas frentes de fogo vindas da Cova do Ouro e das Torres do Mondego”, explica Francisco Bravo.
Ainda assim, ressalva desde logo, uma boa zona da mata ardida é regenerável. “Toda a parte de baixo”, acrescenta. E adianta que “o fundinho da mata está verde”. “Os eucaliptos, as araucárias, está tudo verdinho. As árvores classificadas estão boas e recomendam–se a até lá há cerejeiras com folhas”, diz, esboçando um sorriso.
Quando tudo estiver regenerado, já terão decorrido uns cinco ou seis anos, o tempo mínimo apontado pelo técnico do ICN para que, pelo menos a zona mais inferior da mata, volte a ser como era até domingo.
Algumas pessoas continuam, contudo, a lá ir. “Sobretudo por curiosidade”, conta, por seu lado, um dos vigilantes da Mata de Vale de Canas, Isidro Seiça. “As pessoas andam aí dentro a ver como está”, explica, apontando para a mata. “É perigoso”, adverte, recordando as cepas de árvores velhas, que “nem daqui a oito dias estão apagadas”. Torce um bocadinho o nariz à possibilidade de as pessoas poderem, para já, percorrer o circuito de manutenção. “Mas ainda dá para cá virem merendar ao domingo”, assegura.

Corte de árvores
é necessário
“Chegámos a pensar o pior, mas o centro de informação e a Casa do Fogo acabaram por resistir às chamas”, continua Francisco Bravo. As gaiolas do centro de recuperação de aves também se mantiveram intactas. “Mas por pouco tempo, porque uma das árvores continuou a queimar por dentro e caiu em cima delas. Ficaram completamente destruídas”, lamenta.
Acidentes que o técnico teme que voltem a acontecer. Para tal, o ICN contratou uma empresa que tem estado no local a cortar as árvores mais próximas da estrada. “Nós não queremos destruir isto”, garante Francisco Bravo, explicando que, mesmo assim, o abate é urgente, uma vez que muitas das árvores queimadas, sobretudo os pinheiros, continuam a arder por dentro e “podem cair a qualquer momento”.
“Há 10 anos [quando um outro incêndio esteve às portas da cidade] tivemos sorte. Agora tivemos azar”, resigna–se, não se conformando, mesmo assim, com a destruição do jardim que existe na zona superior da mata. “Fiquei tão triste...”.
Agora, muito trabalho aguarda Francisco Bravo e as outras três pessoas que são lá funcionárias e que têm, segundo o técnico do ICN, conseguido manter a mata relativamente limpa. “A parte de baixo da mata sofrerá uma regenração natural. A parte de cima vai exigir uma reflorestação e um controlo mais apertado por causa das acácias, que estão aí à espera para crescer”, adivinha.
A reflorestação, garante, será feita com as espécies até agora existentes, principalmente pinheiros e cedros. “Mas vai ser um trabalho muito difícil e demorado porque estamos a falar de uma área de mais de oito hectares”, refere.
Já lá fora, no estacionamento, Sandro Neves, de 32 anos, lê o jornal. Dentro do carro, faz uma coisa já habitual. “Descanso na minha hora de almoço. Aqui, porque o local é... era agradável. Não sabia que o fogo tinha tido estas dimensões...”, constata, já a virar a atenção de novo para as páginas do jornal.

Imagem



A foto é desoladora... :(

usaralho
Lendário
Lendário
Mensagens: 1577
Registado: domingo, 21 novembro 2004 1:37

Mensagem por usaralho »

Dass, o unico espaço de jeito para correr/andar em Coimbra. Será que precisam de ajuda para por aquilo como estava? Eu ofereco-me!

Dracula
Experiente
Experiente
Mensagens: 273
Registado: segunda-feira, 28 março 2005 12:17

Mensagem por Dracula »

A parte a sublinhado é brutal... resume-se em:
- "Ah, eles são uns malandros, não fizeram isto."
- "Pois, mas vocês também não."
- "Eram outros tempos, era uma obrigação mas não estava na lei, não tínhamos de o fazer."

Chega a ser ridículo... Rolling Eyes
Mas é que o Encarnação é unico que disse a verdade. Se assim que se vêem os focos, este fossem logo atacados com meios aéreos, em vez de estar à espera que estes se propagassem, a maioria dos fogos não atiginria a dimensão que chegam a ter :evil: :twisted: