Trânsito suspenso na avenida de Aeminium - até Agosto/2020

Para conversar e discutir temas relacionados com Coimbra
Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
Mensagens: 11953
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07

Trânsito suspenso na avenida de Aeminium - até Agosto/2020

Mensagem por Pedro »

Trânsito suspenso na avenida de Aeminium

A partir de segunda-feira (14), durante 19 meses, a circulação automóvel vai estar suspensa na avenida de Aeminium (margem direita do rio Mondego), em Coimbra, anunciou a Câmara Municipal.

A medida, para viabilizar trabalhos de requalificação de espaço público, abrange o segmento compreendido entre a estação ferroviária de Coimbra – A e a rotunda adjacente ao tabuleiro inferior do açude-ponte.

Tal empreitada visa a valorização da zona ribeirinha da cidade, através da execução de muros de contenção na margem direita do rio e de requalificação das avenidas de Aeminium e de Emídio Navarro nas faixas confinantes com o Mondego.

A suspensão de trânsito vigorará até meados de Agosto de 2020, pelo que os parques de estacionamento da praça das Cortes e do Polis – Parque Verde do Mondego são indicados pela Câmara como alternativas para acomodar viaturas. Para estes parques é possível dispor de um cartão de utilizador frequente (15 euros mensais, a que acresce a emissão inicial do cartão por uma dezena de euros).

Ambos os parques são gratuitos aos sábados, domingos e feriados, enquanto nos dias úteis funcionam das 07h00 às 20h00. Para utilizadores ocasionais (que não possuam cartão de acesso frequente) o tarifário é de 20 cêntimos nos primeiros 15 minutos, a que acrescem 10 cêntimos por cada período igual de tempo até à primeira hora e meia de parqueamento.

Quanto ao parque Ecovia – Casa do Sal, funciona nos dias úteis, das 07h30 às 18h00, pautando-se o acesso mediante três modalidades. O passe da rede geral dos Serviços Municipalizados (35 euros / mensais) consiste num cartão que pode ser adquirido nas lojas dos SMTUC, conferindo direito a estacionar o veículo e a viajar em todas as carreiras regulares dos transportes colectivos urbanos.

Também a empreitada de requalificação e conservação da calçada da praça da República (Coimbra) vai ter início a 14 de Janeiro.

Fonte: Campeão das Províncias
Fica o aviso. Não deve ter grande impacto no trânsito, mas provavelmente vai ter impacto razoável no estacionamento na zona.

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
Mensagens: 1007
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 11:53

Re: Trânsito suspenso na avenida de Aeminium - até Agosto/20

Mensagem por Ricky147 »

Hoje passei junto à Estação Nova e reparei que, à entrada da Avenida Aeminium existe um sinal de trânsito proibido a veículos com mais de 3,5 Toneladas, o que quer dizer que, para já, os ligeiros ainda poderão passar.

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
Mensagens: 1007
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 11:53

Re: Trânsito suspenso na avenida de Aeminium - até Agosto/20

Mensagem por Ricky147 »

Voltei a passar na Estação Nova esta manhã e já estavam a fechar a entrada para a Avenida Aeminium.

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
Mensagens: 11953
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07

Re: Trânsito suspenso na avenida de Aeminium - até Agosto/2020

Mensagem por Pedro »

Arranjar margem direita vai custar 10 milhões

Proposta do executivo prevê que a obra fique a cargo da empresa Alberto Couto Alves, S.A., pelo valor de 9.950.746,21 euros (IVA incluído) e com um prazo de execução de 540 dias

A Câmara de Coimbra vota hoje uma proposta para a adjudicação da conclusão requalificação do espaço público na margem direita do rio Mondego por cerca de 10 milhões de euros.

A proposta prevê a adjudicação da requalificação do espaço público na margem direita do rio Mondego, entre a Ponte de Santa Clara e o açude-ponte de Coimbra, à empresa Alberto Couto Alves, por 9,95 milhões de euros, com um prazo de execução de 540 dias, referiu a Câmara de Coimbra, em nota de imprensa.

Este concurso público, lançado em novembro de 2019, surge “depois de a empresa que venceu o primeiro procedimento concursal não ter cumprido com os prazos contratualmente previstos, o que levou a autarquia a rescindir o contrato, tomar posse administrativa da obra e a aplicar sanções”, explica o município.

Fonte: As Beiras
Bem, parece que vamos ter esta zona encerrada mais uns tempos...