Data/Hora: terça-feira, 12 dezembro 2017 21:26


Metro Mondego

Para conversar e discutir temas relacionados com Coimbra
Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11746
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Pedro » quinta-feira, 20 abril 2017 9:50

Metro Mondego deverá ter solução técnica em Maio

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou ontem em Coimbra que, em Maio, deverá apresentar a solução técnica proposta pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para o ramal ferroviário da Lousã, no âmbito do projecto Metro Mondego.

Fonte: Diário de Coimbra


Deve ser algo no género de "vejam lá se voltam a colocar novamente os carris, preferencialmente antes de 2050".

Avatar do Utilizador
bluestrattos
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 2141
Registado: domingo, 06 março 2005 22:49
Localização: Dublin, Ireland

Re: Metro Mondego

Mensagempor bluestrattos » sábado, 22 abril 2017 16:13

Pedro Escreveu:
Metro Mondego deverá ter solução técnica em Maio

O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, afirmou ontem em Coimbra que, em Maio, deverá apresentar a solução técnica proposta pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para o ramal ferroviário da Lousã, no âmbito do projecto Metro Mondego.

Fonte: Diário de Coimbra


Deve ser algo no género de "vejam lá se voltam a colocar novamente os carris, preferencialmente antes de 2050".


Mais depressa todos os antigos utlizadores da linha ganham acesso a JetPacks do que ao prometido Metro.

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11746
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Pedro » terça-feira, 30 maio 2017 12:18

Governo apresenta na sexta-feira solução Metrobus

Pedro Marques, ministro das Infraestruturas e Planeamento, vai estar em Coimbra, Lousã e Miranda do Corvo na manhã de sexta-feira para dar conta da solução do Governo para o impasse no Sistema de Mobilidade do Mondego. Depois de alguns adiamentos, a última garantia do Governo passava por apresentar as conclusões dos estudos elaborados nos últimos meses até ao final do mês de Maio e a data agora marcada é o dia 2 de Junho, com sessões abertas à população nas capitais dos três concelhos envolvidos.

Fonte: Diário de Coimbra


Nome pomposo para "autocarros".

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 1003
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 10:53
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Ricky147 » quarta-feira, 31 maio 2017 14:22

Pois, a esta conclusão já tinham chegado os do passos. Pelos vistos fica mais barato asfaltar e mudar pneus do que colocar carris. Ao menos que tenham o bom senso de usar electricidade como combustível em vez de combustíveis fosséis. Estou algo farto de levar com a fumarada dos autocarros usados pela Metro Mondego.
Ricardo Nuno

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11746
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Pedro » sexta-feira, 02 junho 2017 8:49

Vão-se os carris, ficam as rodas. Metro do Mondego, afinal, vai ser um autocarro

Ministro do Planeamento e Infraestruturas apresenta Sistema de Mobilidade do Mondego, que custa 90 milhões de euros e não deverá entrar em funcionamento antes de 2021.

A solução para o Sistema de Mobilidade do Mondego passa por autocarros eléctricos que circularão pelo mesmo trajecto desenhado para o metropolitano ligeiro de superfície. O ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, faz nesta sexta-feira um périplo pelos municípios onde será instalado o sistema de mobilidade – começa na Lousã, passa por Miranda do Corvo e acaba a manhã em Coimbra – para apresentar a solução que substitui o Metro Mondego, que nunca chegou a entrar em funcionamento. O relatório descarta o transporte ferroviário, tanto na forma de comboio como de metropolitano ligeiro de superfície.

O governo vai mostrar as conclusões do estudo do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) aos municípios. O documento a que o PÚBLICO teve acesso prevê a circulação de autocarros (designados no estudo por metrobus) na totalidade dos 41 quilómetros de linha, tanto no troço entre Serpins e Coimbra-B, como na ligação da Baixa da Cidade aos Hospitais. No troço suburbano, cada veículo terá uma capacidade para 55 lugares sentados, sendo que no percurso urbano a linha será servida por veículos articulados com capacidade para 130 pessoas (sentados). A dimensão máxima da frota será de 43 autocarros.

Fora da cidade, o metrobus circulará em via única, com cruzamento nas estações, aproveitando o percurso que já existe do antigo Ramal da Lousã, desactivado em 2010. O canal será fechado e com controlo electrónico. Já em Coimbra, os autocarros circularão em via dupla, com canal dedicado “em alguns trechos” e com prioridade em todos os cruzamentos principais. O sistema de metrobus será dotado de guiamento magnético na zona suburbana, garantindo assim “elevados padrões de segurança e desempenho”.

Mini-mapa das alterações

Para além da infra-estrutura e do material circulante, há outras alterações em relação ao projecto que existia para o transporte na região. Para o metrobus circular, não será construído o túnel de Celas (que teria cerca de 400 metros) e está prevista a desactivação da circulação de comboios entre a Estação Velha, na Baixa de Coimbra, e Coimbra B. A ligação será feita pelos autocarros.

Sobre a energia para alimentar os autocarros, o estudo aponta para três possibilidades: sistema híbrido, eléctrico ou a gás natural comprimido. O equilíbrio entre custos e receitas depende do sistema de propulsão escolhido, sendo que o gás natural seria o único que, segundo o documento, impediria um défice de exploração. Veículos híbridos representariam contas negativas de 120 mil euros ao ano e os veículos eléctricos levariam a um défice de exploração de 460 mil euros. Optou-se pelo eléctrico e o investimento inicial na infra-estrutura e na frota é de 90 milhões de euros.

O relatório do LNEC refere que a solução ferroviária, como a que existia quando o Ramal da Lousã estava em funcionamento, não permite o atravessamento da cidade, sendo que mais de 60% das deslocações com início na Lousã, Miranda do Corvo ou Ceira têm como destino zonas como a Baixa, a universidade ou os hospitais. “a procura dos passageiros seria 6 a 8 vezes mais baixa”, refere o documento do MPI.

Já em relação ao metro ligeiro de superfície, cuja construção foi interrompida em 2011, o texto refere que a Comissão Europeia considerou o projecto “financeiramente inviável” e levantou dúvidas “sobra a consistência da análise custo – benefício”.

Entre concurso público e entrada em funcionamento, o LNEC estima que o processo demore cerca de quatro anos. Isto significa que, caso o concurso público seja lançado neste ano, o Sistema de Mobilidade começará a circular antes de 2021.

Um documento do Ministério do Planeamento e Infraestruturas refere que foram já lançados concursos para o desenvolvimento de mais estudos e projectos. Desde o levantamento topográfico do canal, adaptação dos tabuleiros ferroviários para o metrobus, especificações técnicas para bilhética e para a implementação de guiamento magnético entre Alto de S. João e Serpins.

Fonte: Público


Nova data: 2021.

Confirma-se que o Metro não é Metro e são apenas autocarros (eléctricos).

Circulação numa só via fora da cidade, com cruzamentos apenas nas estações (o que me parece limitar imenso os horários e a escalabilidade do sistema).

Deixa de haver comboios entre Coimbra-A e Coimbra-B (quem tinha o azar de usar isso para o serviço regional, que se lixe... agora têm de meter um autocarro pelo meio, para um percurso que antes demorava pouco tempo).

55 lugares sentados por autocarro dentro da cidade, 130 fora da cidade (ou seja, autocarros normalíssimos, muito abaixo do que um metro suportaria).

Custo total da nova solução: 90 milhões. 90 milhões, mais tudo o que foi gasto até agora, para chegarmos a 2021 com uma solução de treta e ainda pior do que havia originalmente.

Hal9000
Veterano
Veterano
 
Mensagens: 739
Registado: sexta-feira, 10 novembro 2006 16:12

Re: Metro Mondego

Mensagempor Hal9000 » sexta-feira, 02 junho 2017 9:32

Curioso que no porto já não é problema nenhum :evil:

Pior não é num aspecto: pelo menos não temos aquelas locomotivas fogareiras a deitar aquele fumo negro e a queimar gasóleo :|

Avatar do Utilizador
Löba
Regular
Regular
 
Mensagens: 139
Registado: sábado, 23 junho 2007 23:03
Localização: R'lyeh

Re: Metro Mondego

Mensagempor Löba » segunda-feira, 12 junho 2017 20:14

Foi mesmo como diziam nos jornais... gastaram tudo em «meninas» e champanhe! Ai Coimbra, Coimbra...e quem se governa à sua custa.

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11746
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Pedro » segunda-feira, 14 agosto 2017 10:20

Obra da Via Central será consignada na quarta-feira

A consignação da empreitada da Via Central, na Baixa de Coimbra, está marcada para esta quarta-feira e contará com a presença do ministro adjunto Eduardo Cabrita. A sessão realiza-se a partir das 16h00 no Beco do Amorim. Esta obra tinha sido adjudicada pela Câmara em Março último. Tem um prazo de execução de 227 dias (cerca de sete meses) e um custo de 627 mil euros. Sem atrasos, deverá estar terminada no final de Março.

Fonte: Diário de Coimbra


Sendo uma obra relativamente relacionada com o Metro, não deve estar terminada em Março. Pelo menos o de 2018.

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11746
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

Re: Metro Mondego

Mensagempor Pedro » sexta-feira, 22 setembro 2017 9:08

Machado quer fazer da Via Central “uma âncora”

Manuel Machado, aspirante à recondução como presidente da Câmara de Coimbra, disse, hoje, que pretende fazer da futura Via Central “a âncora da modernização e rejuvenescimento da «Baixa»”.

O candidato do PS falava durante uma acção de campanha realizada em parte do centro histórico de Coimbra.

Uma rede de aluguer de bicicletas urbanas e o reforço do aproveitamento do rio Mondego são outros aspectos com que acenou o autarca.

“Depois de termos conseguido desbloquear o Sistema de Mobilidade do Mondego com o Metrobus, temos de reestruturar certas ruas, fazer a ligação ao rio, introduzir uma rede de aluguer de bicicletas eléctricas e de a articular com a vias cicláveis, temos de tornar Coimbra uma cidade de mobilidade inteligente e inclusiva”, declarou o economista.

Entre as medidas preconizadas para redução das emissões de dióxido de carbono na «Baixa», Manuel Machado prometeu a progressiva exclusividade de acesso a autocarros eléctricos.

A remodelação da avenida de Fernão de Magalhães entre a estação ferroviária de Coimbra – A e a rotunda do Arnado foi descrita como peça central de mudança.

O candidato do PS à liderança do Município de Coimbra prometeu criar a “Rede de lojas com História”, aproveitando legislação recentemente aprovada.

Fonte: Campeão das Províncias


Bem, vai-se resolver e desbloquear tudo... ah, as maravilhas da campanha.

Avatar do Utilizador
Tide
Experiente
Experiente
 
Mensagens: 356
Registado: sexta-feira, 02 julho 2010 17:40

Re: Metro Mondego

Mensagempor Tide » sábado, 23 setembro 2017 11:22

Já comecei a fazer a reserva dos voos de avião Coimbra-Nova Iorque...
Feedback, blood & destruction.

Anterior

Voltar para Viver em Coimbra

Quem está ligado:

Utilizador a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 1 visitante

cron