Data/Hora: domingo, 15 setembro 2019 11:37


Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

O geral das generalidades... para discutir tudo!
Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11860
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 21:07
Localização: Coimbra

Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Pedro » quinta-feira, 05 dezembro 2013 15:12

Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

A utilização gratuita do multibanco pode ter os dias contados. Bruxelas vai limitar as taxas aplicadas a comerciantes e a banca está a tentar arranjar alternativas.

Para Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), a solução tem de passar por uma nova taxa a aplicar ao consumidor. Uma ideia que acabou por não avançar na primeira vez que surgiu, em 1994.

"Tudo o que agrava em termos de custos a atividade bancária, para melhorar a rentabilidade tem de ter uma contrapartida de obtenção de receitas de uma outra qualquer via", afirmou ontem o responsável à margem de uma conferência sobre os sistemas de pagamentos.

Fonte: Diário de Notícias


O dia em que fizerem isto é o dia em que a maioria das pessoas deixa de usar multibanco. Querem passar a cobrar por algo que teve como objectivo cortar custos? :?

Avatar do Utilizador
bluestrattos
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 2155
Registado: domingo, 06 março 2005 23:49
Localização: Dublin, Ireland

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor bluestrattos » sexta-feira, 06 dezembro 2013 11:37

Pedro Escreveu:
Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

A utilização gratuita do multibanco pode ter os dias contados. Bruxelas vai limitar as taxas aplicadas a comerciantes e a banca está a tentar arranjar alternativas.

Para Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), a solução tem de passar por uma nova taxa a aplicar ao consumidor. Uma ideia que acabou por não avançar na primeira vez que surgiu, em 1994.

"Tudo o que agrava em termos de custos a atividade bancária, para melhorar a rentabilidade tem de ter uma contrapartida de obtenção de receitas de uma outra qualquer via", afirmou ontem o responsável à margem de uma conferência sobre os sistemas de pagamentos.

Fonte: Diário de Notícias


O dia em que fizerem isto é o dia em que a maioria das pessoas deixa de usar multibanco. Querem passar a cobrar por algo que teve como objectivo cortar custos? :?


Se esta medida levar as pessoas a deixarem de andar com dinheiro atrás, e passarem a usar o cartão MB para todo o tipo de pagamentos, então eu apoio a 100%. Pagamentos a dinheiro são dos mais difíceis de rastrear do ponto de vista financeiro e fiscal, por isso, forçar o uso do cartão MB para todo o tipo de pagamentos faz todo o sentido. Os Bancos se quiserem mesmo ser sérios, até podem dizer que após 15 transacções mensais não têm de pagar mais custos, levando a que as pessoas façam mais pagamentos com o cartão, deixando de lado o dinheiro.

Os comerciantes se forem incentivados a usarem mais o MB do que o dinheiro, também saem beneficiados, pois passam a ter menos dinheiro na caixa (levando a menos assaltos) e o dinheiro passa logo a estar na conta.

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 1006
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 11:53
Localização: Coimbra

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Ricky147 » sexta-feira, 06 dezembro 2013 11:53

bluestrattos Escreveu:
Pedro Escreveu:
Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

A utilização gratuita do multibanco pode ter os dias contados. Bruxelas vai limitar as taxas aplicadas a comerciantes e a banca está a tentar arranjar alternativas.

Para Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), a solução tem de passar por uma nova taxa a aplicar ao consumidor. Uma ideia que acabou por não avançar na primeira vez que surgiu, em 1994.

"Tudo o que agrava em termos de custos a atividade bancária, para melhorar a rentabilidade tem de ter uma contrapartida de obtenção de receitas de uma outra qualquer via", afirmou ontem o responsável à margem de uma conferência sobre os sistemas de pagamentos.

Fonte: Diário de Notícias


O dia em que fizerem isto é o dia em que a maioria das pessoas deixa de usar multibanco. Querem passar a cobrar por algo que teve como objectivo cortar custos? :?


Se esta medida levar as pessoas a deixarem de andar com dinheiro atrás, e passarem a usar o cartão MB para todo o tipo de pagamentos, então eu apoio a 100%. Pagamentos a dinheiro são dos mais difíceis de rastrear do ponto de vista financeiro e fiscal, por isso, forçar o uso do cartão MB para todo o tipo de pagamentos faz todo o sentido. Os Bancos se quiserem mesmo ser sérios, até podem dizer que após 15 transacções mensais não têm de pagar mais custos, levando a que as pessoas façam mais pagamentos com o cartão, deixando de lado o dinheiro.

Os comerciantes se forem incentivados a usarem mais o MB do que o dinheiro, também saem beneficiados, pois passam a ter menos dinheiro na caixa (levando a menos assaltos) e o dinheiro passa logo a estar na conta.

Mas a medida poderá precisamente levar ao efeito contrário, i.é, as pessoas deixarem de pagar multibanco e passar a pagar com dinheiro. Interpretei mal o que escreveste ou estás mesmo a dizer que a medida poderá levar a um aumento dos pagamentos por multibanco?
Ricardo Nuno

Avatar do Utilizador
bluestrattos
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 2155
Registado: domingo, 06 março 2005 23:49
Localização: Dublin, Ireland

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor bluestrattos » sexta-feira, 06 dezembro 2013 12:37

Ricky147 Escreveu:
bluestrattos Escreveu:
Pedro Escreveu:
Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

A utilização gratuita do multibanco pode ter os dias contados. Bruxelas vai limitar as taxas aplicadas a comerciantes e a banca está a tentar arranjar alternativas.

Para Faria de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), a solução tem de passar por uma nova taxa a aplicar ao consumidor. Uma ideia que acabou por não avançar na primeira vez que surgiu, em 1994.

"Tudo o que agrava em termos de custos a atividade bancária, para melhorar a rentabilidade tem de ter uma contrapartida de obtenção de receitas de uma outra qualquer via", afirmou ontem o responsável à margem de uma conferência sobre os sistemas de pagamentos.

Fonte: Diário de Notícias


O dia em que fizerem isto é o dia em que a maioria das pessoas deixa de usar multibanco. Querem passar a cobrar por algo que teve como objectivo cortar custos? :?


Se esta medida levar as pessoas a deixarem de andar com dinheiro atrás, e passarem a usar o cartão MB para todo o tipo de pagamentos, então eu apoio a 100%. Pagamentos a dinheiro são dos mais difíceis de rastrear do ponto de vista financeiro e fiscal, por isso, forçar o uso do cartão MB para todo o tipo de pagamentos faz todo o sentido. Os Bancos se quiserem mesmo ser sérios, até podem dizer que após 15 transacções mensais não têm de pagar mais custos, levando a que as pessoas façam mais pagamentos com o cartão, deixando de lado o dinheiro.

Os comerciantes se forem incentivados a usarem mais o MB do que o dinheiro, também saem beneficiados, pois passam a ter menos dinheiro na caixa (levando a menos assaltos) e o dinheiro passa logo a estar na conta.

Mas a medida poderá precisamente levar ao efeito contrário, i.é, as pessoas deixarem de pagar multibanco e passar a pagar com dinheiro. Interpretei mal o que escreveste ou estás mesmo a dizer que a medida poderá levar a um aumento dos pagamentos por multibanco?


A ideia que tentei transmitir é que se os bancos aumentarem as taxas mas colocarem uma meta para que os clientes a possam atingir, evitando assim pagar as mesmas, todos ganham, quer por menos fuga aos impostos, quer por menos assaltos a carteiras (literal).

Ou seja, eu tenho um banco e passo a cobrar €0,02 por cada transacção feita com o cartão MB, e €0,05 por cada levantamento, ou 5€ por mês, mas também digo que se os meus clientes efectuarem 15 transacções com o cartão MB e/ou efectuarem compras no total de €150 ficam isentos dessas taxas.

Ou seja, em vez da pessoa ir levantar €20 e fazer 2 ou 3 pagamentos a dinheiro, usa o cartão para efectuar os mesmos.

Basicamente todos ganham, os bancos têem as suas taxas, as pessoas são incentivadas a usar mais o cartão para evitar pagar taxas no final do mês, os comerciantes passam a ser incentivados a usar os terminais MB, pois têem taxas menores, e consequentemente os pagamentos a dinheiro são menores, e com isso, ajuda-se o combate à fuga aos impostos. .

Hal9000
Veterano
Veterano
 
Mensagens: 744
Registado: sexta-feira, 10 novembro 2006 17:12

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Hal9000 » sexta-feira, 06 dezembro 2013 13:15

Vai sonhando, vai... :roll:

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 1006
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 11:53
Localização: Coimbra

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Ricky147 » sexta-feira, 06 dezembro 2013 15:06

Já entendi. Tipo desconto de quantidade. É uma ideia interessante, mas não acredito que os senhores da banca vão por aí...
Ricardo Nuno

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11860
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 21:07
Localização: Coimbra

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Pedro » sábado, 14 dezembro 2013 12:54

Pagamentos electrónicos e penalizações dos levantamentos de dinheiro ajudam a combater economia paralela

Em Portugal, a economia paralela tem vindo a crescer e representou, no ano passado, 26,74% do PIB, ou seja, 44 mil milhões de euros.

O pagamento de compras e serviços por via electrónica e através de cartões ajudam a combater a economia não contabilizada.

Mas o êxito do combate à economia paralela passa também, defendem especialistas, pela limitação ou penalização de levantamentos de dinheiro, nomeadamente em caixas automáticas, assunto que tem gerado forte polémica em Portugal.
Um estudo realizado pela consultora A.T. Kearney, para a Visa, empresa que gere os cartões de débito e crédito com a mesma marca, concluiu que em Portugal “existe potencial para aumentar o número de pagamentos electrónicos” e aponta medidas para aumentar o seu uso.

Uma parte importante da economia paralela, que em Portugal, representou quase 27% do PIB, em 2012, segundo o índice da Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEUP) assenta precisamente na circulação de numerário — que não deixa rasto para o fisco, ao contrário do que acontece com os pagamentos electrónicos ou com cartões.

Óscar Afonso, vice-presidente do Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF), da FEUP, que há vários anos calcula o índice de economia não registada, reconhece, por isso, que o incremento dos pagamentos electrónicos e a limitação de levantamentos pode ajudar a combater uma parte do fenómeno.

Recentemente, o fisco revelou ter detectado 16 mil empresas que declararam volumes de negócios inferiores aos valores recebidos apenas através de pagamentos electrónicos ou com cartões. Isto foi possível através do cruzamento de dados com as empresas emissoras.

A.T. Kearney, que considera negativa a limitação do uso de cartões até determinado valor por parte do retalho, defende, para Portugal, que o pagamento de prestações sociais seja feito por meios electrónicos, como transferências bancárias ou cartões pré-pagos (como está a acontecer com os subsídios de alimentação nas empresas).

A criação de incentivos fiscais para pagamentos com meios electrónicos, menores custos nos terminais de pagamento e a sua introdução em sectores com baixa utilização, como táxis e pequeno comércio, são exemplos de medidas propostas. Ainda ao nível dos cartões, é sugerido que incorporem mais vantagens para os utilizadores, como a possibilidade de pagamento em prestações.

A consultora recomenda ainda a polémica medida de introdução de comissões e ou limitações quanto ao montante de levantamentos em caixas automáticas.

A A.T. Kearney destaca ainda que deveria ser obrigatório a utilização de pagamentos electrónicos nas instituições públicas, e ser cumprida, como prevê a lei, de pagamento por via electrónica de valores acima de mil euros.

Apanhar o rasto

Contactado pelo PÚBLICO, Óscar Afonso, vice-presidente do OBEGEF, concorda que os meios electrónicos de pagamento podem ter “uma importância crucial “ no combate à economia paralela, “ porque fica o rasto do que se fez” e considera que “é de incentivar o uso cada vez maior de meios electrónicos nas transacções de mercado”.

Para o professor da FEUP, os pagamentos de produtos e serviços não declarados “são maioritariamente feitos em dinheiro”, admitindo que uma forma de limitar a circulação de dinheiro “é impedir levantamentos e depósitos de dinheiro superiores a determinado montante”.

O vice-presidente do OBEGEF defende que “o combate vai muito para além disso”, sendo necessário “maior transparência na gestão dos recursos públicos e melhorar a educação da sociedade civil sobre os efeitos perversos da economia paralela”.

Outro aspecto importante está relacionado com a Justiça, que deveria ser “mais rápida e eficaz”, e que deveria criminalizar o enriquecimento ilícito.

Para Óscar Afonso, há ainda outra frente de combate, o da fraude empresarial, materializada na existência de empresas fantasma, manipulações contabilísticas, relatórios fraudulentos e uso de informação privilegiada. O OBGEF tem destacado também “a necessidade de combate à utilização abusiva de convenções de dupla tributação e combate ao branqueamento de capitais”.

Em Portugal, a maior fuga aos impostos verifica-se no sector do comércio e serviços, seguido da indústria e agricultura. Por segmentos, a maior fatia surge na produção oculta, subdeclarada ou subterrânea, mas as principais medidas de combate à evasão fiscal tem-se centrado em segmentos de menor peso, como a economia informal, vulgarmente designada de “biscate”.

A economia paralela acentuou o rimo de crescimento nos últimos anos, o que é explicado pela crise económica, elevada taxa de desemprego, aumento de impostos e falta de medidas de combate à fraude e fuga fiscais.

Fonte: Público


Resta saber se o objectivo será cobrar pelos levantamentos e manter os restantes pagamentos gratuitos - e aí até considero que esta justificação faz sentido - ou se pretendem cobrar por tudo... o que significa que querem apenas aumentar os lucros e qualquer desculpa serve.

Avatar do Utilizador
Ricky147
Lendário
Lendário
 
Mensagens: 1006
Registado: segunda-feira, 04 setembro 2006 11:53
Localização: Coimbra

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Ricky147 » sábado, 14 dezembro 2013 18:39

Até concordo com a medida se for efectivamente o meio de evitar a fuga ao fisco. No entanto, e sendo esse o motivo, apenas deverão ser taxados os levantamentos superiores a determinados montantes. Não faz sentido taxar um levantamento de 20 euros para pocket money, porque não estou a ver os comerciantes aceitarem, por exemplo, o pagamento de um café com cartão.
Ricardo Nuno

Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11860
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 21:07
Localização: Coimbra

Re: Banca ameaça de novo taxar utilizadores do multibanco

Mensagempor Pedro » sábado, 14 dezembro 2013 19:04

Se forem com isto em frente, os bancos terão de baixar as taxas aos comerciantes a um ponto em que passem a aceitar cartões para qualquer valor. Caso contrário, será só mesmo uma medida para ganharem dinheiro em todos os lados, disfarçada de "bem comum".


Voltar para Geral

Quem está ligado:

Utilizadores a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes

cron