Data/Hora: terça-feira, 21 novembro 2017 10:11


ERC diz que concursos telefónicos da TV são acções enganosas

Para conversar sobre cinema, televisão e música.
Avatar do Utilizador
Pedro
Administrador
Administrador
 
Mensagens: 11735
Registado: quarta-feira, 10 novembro 2004 20:07
Localização: Coimbra

ERC diz que concursos telefónicos da TV são acções enganosas

Mensagempor Pedro » quinta-feira, 09 abril 2015 12:24

ERC diz que concursos telefónicos das TV são “acções enganosas”

No ecrã há números de telefone em tamanho gigante ao lado de uma quantia elevada de euros que é um prémio em cartão ou em ouro. Os apresentadores apelam, à exaustão, aos espectadores para ligarem para um número de telefone iniciado por 760; por vezes estão a encher discurso durante minutos seguidos com as supostas maravilhas que se pode fazer com o prémio – para compensar o desemprego, pagar escola dos filhos, encher a despensa. Mas para a ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social são “acções enganosas” e “práticas comerciais agressivas”, de acordo com uma proposta de deliberação que o regulador tem em cima da mesa para discutir. E só não declara que estes concursos violam a lei do jogo porque as suas competências não lho permitem.

No ano passado a ERC recebeu mais de duas dezenas de queixas e de pedidos de informação sobre a legalidade daqueles concursos publicitários. Para além de espectadores, contactaram o regulador também entidades como a Associação Portuguesa de Casinos – que defende que são ilegais por configurarem a modalidade de jogos de fortuna e azar, que é exclusiva dos casinos -; a Direcção-Geral do Consumidor, que quis saber qual o enquadramento legal dos concursos; e até o Provedor de Justiça informou ter recebido queixas pela publicidade “agressiva” destes programas.

Segundo a proposta de deliberação que está a ser estudada há algumas semanas pelo regulador, este deverá “declarar acções enganosas as informações promocionais dos concursos publicitários (…) onde se induz nos concorrentes a convicção de que os prémios atribuídos se consubstanciam em dinheiro ou coisa convertível em dinheiro”. E também considerar os “apelos insistentes à participação” como “práticas comerciais agressivas” por fazer um “aproveitamento consciente de situações de infortúnio pessoal”, como situações de “desemprego ou carência social e económica”. A ERC deverá ainda informar a Secretaria Geral do Ministério da Administração Interna e a Direcção-Geral do Consumidor que têm poderes sobre a matéria.

A ERC analisou o tempo que a promoção do concurso ocupa nos programas, escolhendo alguns dias do mês de Maio e de Setembro do ano passado e chegou à conclusão de que essa ocupação é muito significativa, havendo mesmo uma “desproporção” que “compromete a integridade e identidade dos programas”. Há casos em que o apelo à participação no concurso, através do apresentador ou apenas por ter o número a ocupar parte significativa do ecrã, foi feito durante 95% da duração do programa. Não é de admirar: tendo em conta os relatórios e contas, só a SIC e a TVI terão facturado em 2014 cerca de 50 e 65 milhões de euros , respectivamente em receitas de multimédia, onde se incluem estes concursos.

Depois de terem assinado no ano passado um acordo de auto-regulação sobre estes concursos, que entrou em vigor a 1 de Julho, RTP, SIC e TVI responderam à ERC praticamente com os mesmos argumentos. Dizem que os números de telefone que usam não são de valor acrescentado mas antes de tarifa única, denominados “majorados”; alegam que têm autorização do MAI; que os prémios são de valor económico e não pecuniários; e recusam a imagem de “coacção” ou “extorsão” de que alguns espectadores se queixam pela forma sistemática, repetitiva e insistente com que os concursos são promovidos em antena, considerando que têm uma atitude “responsável” perante o público e que explicam as regras. O Instituto do Turismo de Portugal, que tem poder consultivo sobre o jogo, admite que os canais de televisão possam vir a ser proibidos de exibir estes concursos.

O problema da identificação de quem tem competências sobre estes programas não é fácil porque é preciso chegar a um consenso sobre que tipo de concurso é este. As televisões tiveram que deixar de ar dinheiro e passar a dar saldos em cartão para gastar em compras, ou barras de ouro ou viagens porque os prémios pecuniários são um exclusivo dos casinos. Mas continuam a não ser claros nessa explicação.

Fonte: Público


Já era altura de fazerem alguma coisa quanto a isto. Nas poucas vezes que passo pelos 4 canais, apanho quase sempre publicidade a concursos destes e já deu para ver que é vergonhoso o modo como tentam explorar as pessoas que passam por momentos difíceis.

Voltar para Cinema/Televisão/Música

Quem está ligado:

Utilizadores a ver este Fórum: Nenhum utilizador registado e 2 visitantes

cron